Categorias
Review

Criptomoedas mais fáceis de minerar: quais são?

Quais são as criptomoedas mais fáceis de minerar em casa? Com o Bitcoin batendo R$ 360 mil após as dicas de Elon Musk nas redes sociais, o interesse pela mineração no PC gamer é cada vez mais crescente.

Quais são as criptomoedas mais fáceis de minerar em casa? Com o Bitcoin batendo R$ 360 mil após as dicas de Elon Musk nas redes sociais, o interesse pela mineração no PC gamer é cada vez mais crescente e há inúmeras dúvidas sobre o assunto.

Portanto, no artigo de hoje o MEUPC.NET deve te ensinar um pouco mais sobre como fazer, o que é necessário e quais as melhores e mais rentáveis. Sendo assim, continue a leitura conosco para saber mais sobre!

Criptomoedas mais fáceis de minerar: quais são?

3 principais criptomoedas para minerar em casa

A principal criptomoeda para minerar em casa é o Ether. Está custando na faixa de R$ 12 mil e promete sofrer com novos reajustes de valorização. A capitalização de mercado se encontra em US$ 1,5 bilhão com o volume médio diário: US$ 290 milhões.

O Bitcoin já não vale a pena porque necessita de grandes recortes energéticos e não traz o lucro desejado. Além disso, a placa de vídeo deve ser uma RTX 3080 / 90 para conseguir ter resultados já que o mesmo exige alto poder de processamento. Há ainda investidores que afirmam que ele deve superar a faixa de R$ 1 milhão dentro de 5 anos!

Há ainda o Dogecoin que também já foi impulsionado pelo Elon Musk e tem o valor bem baixinho, o que faz com que seja ainda mais fácil obter o retorno desejado. Em abril de 2021, o mesmo havia passado de 10 centavos. A questão é que ele demora pouco tempo para minerar e com poucos investimentos se consegue dezenas e centenas deles e, ao somar de 10 em 10 centavos, o valor final é satisfatório. Em menos de um dia sofreu com 20% de valorização e promete ser crescente.

Para aqueles que criticam o dogecoin por valer pouco: o Bitcoin começou valendo na mesma escala de preço e em 2021 chegou a custar mais de R$ 360 mil.

Outra opção para aqueles que buscam criptomoedas mais fáceis de minerar, uma outra alternativa é o Vertcoin, ele custa na faixa de R$4.07 e tem a capitalização de mercado no valor de R$340,856,409. O volume aumentou de 60% para R$ 4,998,175.

Minerar criptomoedas em casa vale a pena?

O principal fator para se ter lucro com a mineração de criptomoedas é a taxa Hash. Quanto maior é o poder de processamento, melhor será o retorno. Outro ponto é a quantidade de energia consumida. Geralmente, uma RX 550 tem uma taxa hash inferior a 12 mh/s. Já uma RTX 3080, chega a mais de 90 mhz, sem contar que a primeira opção gasta muita energia. Dessa forma, o que se consegue minerando sequer paga os gastos.

Usar placas de vídeo de entrada não é recomendado porque elas não suportam overclock ou altas taxas de processamento, é isso que exige a mineração. Por fim, acabam esquentando muito e os coolers são mais fracos e não conseguem dispersar o calor, causando derretimentos pequenos em algumas partes dos chips.

A mineração de criptomoedas é coisa de profissional, isso é um fato. Não se pode pegar uma placa de entrada, sem ventilação, e esperar que se tenha lucros. O prejuízo será ainda maior e ainda há chances de queimar o hardware com o estresse do processamento. É comum que placas usadas para mineração apresentem pingos nas telas e gráficos.

É cada vez mais comum ver pessoas milionárias mas que também investiram alguns milhares: é preciso ter energia de sobra, placas de vídeo do mesmo nível que uma RTX 3080 e um moderno sistema de ventilação com ar condicionado para controlar o calor, apenas o cooler não é suficiente.

Por exemplo, uma RX 570 chega a, no máximo, U$ 2 por dia de lucro (ficando ligada 24h), isso seria equivalente a pouco mais de R$ 10. Em um mês, se tem apenas R$ 300 de retorno se estiver no overclock máximo, isso se a placa aguentar esse tempo. Ao ficar ligada por um mês inteiro, irá gastar mais que isso em energia.

Criptomoedas mais fáceis de minerar: quais são?

Quais as melhores opções para minerar?

Por ser um serviço de profissional, usa-se hardwares do mesmo nível. Uma das mais usadas no Brasil é a GeForce GTX 1080 Ti com 32.2mh / s.

Já no exterior, usa-se em sítios de mineração a RTX 3080 que consegue fazer 93 MH/s com overclock. Sem testar o máximo da mesma, consegue-se obter o desempenho de 75 mh/s.

Antes de escolher qual a placa deseja usar e comprar para trabalhar com isso, analise quais são os gastos de energia e também essa taxa. Uma RTX 3080 ainda vale a pena, mas exige um investimento muito alto já no começo. Outras opções que custam na faixa de R$ 500, exigem um investimento baixo mas não trazem lucros.

Caso queira saber quais são as melhores alternativas de placas para minerar criptomoedas, pode acessar a esse artigo: 03 melhores placas de vídeo para mineração.

Criptomoedas mais fáceis de minerar: quais são?

Não esqueça de ler mais artigos sobre review e tecnologia ao conhecer o nosso blog, clique aqui!